Social Commerce – Vendas nas Redes Sociais

Por Fatima A. Bana*
Todos os dias recebo dezenas de e-mails de gerentes de e-commerce ou empreendedores me perguntando o que eu penso do social commerce, o comercio eletrônico via redes sociais, confesso que todas as vezes que faço em meus estudos pesquisas em redes sociais, de verdade, me espanto com o crescimento C2C (venda de consumidor para consumidor), nesse caso entram os “desapegos dos bebês”, produtos importados, cosméticos, artesanato. roupas, tudo isso se vende de consumidor para consumidor e hoje os números apontam que esse tipo de página de comercio já compreendem 35% dos usuários do Facebook, por exemplo.
social-commerce-vendas-nas-redes-sociais
Realmente números impressionantes. Porém no prisma da empresa, considero a Fã Page algo muito superficial ainda, não vejo nenhuma cia que surpreende, já as lojas dentro da rede estão crescendo assustadoramente, no ano passado meus estudos mostravam quem 40% dos usuários faziam compras dentro da rede, hoje eles já me apontam para um número de 65%, sejam essas compras c2c ou b2c.
Porém o marketing digital dentro do Facebook, ainda não me surpreendeu, creio que o conteúdo de troca, não vem sendo valorizado da forma correta, como sempre confirmo em todas as minhas pesquisas, o consumidor busca a troca, quer se sentir importante e ainda vejo as marcas tratando o consumidor como se ele estivesse atrás da vitrine da loja sedento daquele produto e o vendedor bastante ocupado lá dentro. Creio que as marcas ainda não se deram conta da preciosidade desse contato, mas vamos caminhando por lá.
De todas as redes, o que podemos notar com a evolução delas é que as fotos foram criando um valor inestimável. Pense, na primeira rede social de grande alcance o “Orkut” no inicio só se podia postar 10 fotos, isso foi crescendo e hoje no Facebook o número de fotos é inesgotável e já temos o Instagram onde o foco é a foto, o consumidor gosta de fotos ele compra sim pela foto. Por isso todo e-commerce que quer se destacar deve tomar muito cuidado com suas fotos e o padrão dado as mesmas. O Instagram não tem loja, mas vende.
Meus estudos indicam que 30% dos usuários do Instagram fazem compras após trocarem e-mails na rede. O consumidor comprou após ver a foto, geralmente com um comentário curto ou uma hashtag interessante. Isso é o futuro da comunicação, ela está cada vez mais visual.
De todas as redes com “tino” para os negócios, considero o Pinterest como a mais promissora, hoje o Pinterest tem um conceito totalmente adaptável e essa rede é uma das principais fontes de conversão para lojas virtuais. Em minhas pesquisas tenho notado que o consumidor que interage com a marca no Pinterest e é encaminhado para a loja, converte. Esse número está na casa dos 40% e isso é um número muito grande até em comparação ao e-mail marketing que sempre foi a nossa principal forma de marketing direto no comercio virtual.
Por esse motivo : #ficaadica – Fique atento aos movimentos do seu consumidor nas redes sociais, a grande sacada do social marketing ainda não apareceu e pode ser o seu negócio que vai mostrar esse caminho. Como sempre as pesquisas diárias são a melhor forma de entender esse comportamento e fazer social commerce com bastante rentabilidade.
fatima-a-bana
 * Profissional com especialização em marketing digital e e-commerce. Atualmente CMO de rede de varejo, atuando como consultora executiva na implantação de e-commerce. Contato: http://www.linkedin.com/profile/view?id=163486125&trk=tab_pro
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.